quarta-feira, 18 de novembro de 2009

......... Inglourious Basterds .........


Aí está mais um sucesso de bilheteria para atestar a inclemente e interminável agonia de um povo.

Quentin Tarantino, responsável por roteiro e direção, já tem ficha de bem sucedido com filmes de violência e agora parece que vai superar a si mesmo com Inglourious Basterds (o “e” é proposital). Tendo estreado em outubro nos nossos cinemas, é mais uma produção que se insere nesta classe que já constitui um gênero próprio, como era o caso dos westerns de outros tempos. No lugar dos índios pele-vermelha entrou o alemão/nazista. Um como o outro..... 'extermináveis'.


O filme começa com Brad Pitt no papel do tenente Aldo Raine convocando oito voluntários, para com ele saltarem de paraquedas sobre a França ocupada.

“- Temos um só objetivo: matar nazistas. Seremos cruéis. Os rastros das nossas atrocidades serão encontrados nos corpos destripados, esquartejados e desfigurados que deixaremos para trás. Nazistas não merecem tratamento humano! Devem ser extintos. Cada um de vocês me deve cem escalpos nazistas.” (Ten Aldo Raine)

Temos aí, como falei, a lembrança do pele-vermelha. Assim como no roteiro, nazista e alemão, são.... 'sinônimos'.


O filme entrou em cartaz nos Estados Unidos desde setembro, e a propaganda foi lá, e é aqui, ilustrada por um taco de baseball ensanguentado no qual está pendurado um capacete alemão.
O porrete é acessório do “Urso-Judeu”, um temido e sádico matador, membro da equipe.

Em uma das cenas um oficial alemão prisioneiro dos Basterds se nega a dar informações. Então o comandante Brad Pitt chama o “Urso-Judeu” e diz: -“Temos aqui um alemão que deseja morrer pela pátria. Preste-lhe o favor.”
Sob gargalhadas dos Basterds o porrete é acionado. (!)

Os killers de Tarantino não apenas matam nazistas, mas buscam uma total aniquilação de suas vítimas. Destroem seus documentos, arrancam seus escalpos, o ouro dos seus dentes e, tirando-lhes as botas, arrebatam sua dignidade.


Para mim, o filme não deixa de ser uma variante explícita, porém, coerente, com as mensagens subliminares de ódio e intolerância contra aqueles que pensam diferente do atual e decadente "democrático e politicamente correto".


O filme já garantiu a Tarantino uma indicação à Palma de Ouro em Cannes. Há quem aposte que o filme renda mais indicações, inclusive ao Oscar.

Um sumário publicado na internet diz que é “Um prato cheio para quem gosta de assistir a cenas de tortura, diálogos '''inteligentes''' e violência psicológica”.

Tal comentário me conduz a uma interrogação, no meu modo de entender, pertinente: Quem GOSTA, sente prazer, satisfação, contentamento, deleite?? Em outras palavras, se identifica??

Assim mesmo, tais produções conseguem encher as salas de cinema. Será que, além de tudo, estamos nos tornando um mundo regido pelo sadismo dos psicopatas?


Outro fato estarrecedor. Este filme foi co-financiado pelo “Fundo Alemão de Fomento ao Cinema” (Deutscher Filmförderfonds) com 6,8 milhões de Euros. (!!)

Observo PASMO !


Prußian

24 comentários:

Andrea Mari disse...

Que excelente comentario,eu coloquei no meu blog q ate me diverti vendo torturarem nazistas a la tarantino,mas nao me aprofundei...nao acho certo fazer a mesma coisa,ou seja da tudo no mesmo,os nazistas e os bastardos...mas o que senti foi q Brad fez uma homenagem a Don corleone e que esse seria um filme que revela o sonho de tarantino!
parabens pelo texto! adorei e adorei seu comentario...bjosss

Francisco disse...

Só esta observação de que o filme foi feito com "ajuda" do Fundo Alemão de Fomento ao Cinema, já deixa qualquer um pasmo, mesmo!
Nem imaginava que filmes assim ainda faziam sucesso. A não ser pelas cenas de violência, é claro!
Achava que a velha fórmula americana dos filmes pós-guerra, onde os americanos eram "mocinhos", e alemães e japonezes, os "bandidos", tivesse esgotado. Pelo que vejo, ainda não.
Quanto ao tipo de Mulher que a tal escritora se enquadraria, talvez o "Mulher-Carrapato" rsrs cairia bem! rsrs
Abraços!

Prussiano disse...

Andrea, fico feliz que penses dessa forma...
Eu, assim como vc -imagino - já estou de saco cheio de ouvir aquele velho 'conto da caroxinha' again and again and again...

Abração pra vc !!

Prussiano disse...

Francisco, quero que saibas que é sempre um grande prazer ter seus coments aqui,no meu humilde blog.

Sabe que nem eu imaginava que um roteiro como esse fizesse sucesso, ainda mais com um tema tão polêmico e controverso (hoje se sabe!) como o que foi abordado. Talvez o sucesso se deva à 'famozisse' do diretor ou algo assim. Sei lá tbm ! Mas acho que o efeito, no fim das contas, acabou sendo o contrário do desejado. Os ditos 'moçinhos' do filme, acabaram, quero crer, saido como os vilões. Pelo menos tive essa impressão! Afinal, quem lê um pouco de história (não a que nos é imposta guela a baixo... falo da verdadeira!) e se intera dos fatos 'reais', percebe algo muito estranho nesse contexto deturpado das coisas que vivenciamos.

Grüße !!
=]

Prussiano disse...

Franciso... heheeh Mulher-Carrapato foi boa... kkk mas eu acrecentaria um tipo à lista. 'Mulher-171' ....kkkkk....

Abração !

Teórico disse...

Um dos melhores filmes sobre o tema que eu já vi é bastardos inglórios sem dúvida!

Acho que Tarantino se superou dessa vez. A vingança está em cada ato se assim pode dizer. Em algumas partes chega a ser engraçado. O Brad Pitt tá meio caricato... e conseguiu até parecer bom ator. Mas no geral, o filme é muito bom!

Abração

, dudiinha cazé disse...

:S

Prussiano disse...

Olá, Leonardo.
Agradeço pelo coment e respeito sua opinião!

Francamente, para mim, não foi o 'melhor filme sobre o tema', como ratificaste logo acima, em seu comentário.

Sabe, eu não consigo me imaginar na situação inversa! Sentado, na poltrona de um cinema (ou mesmo em casa), comendo pipocas e Doritos, tomando Coca-Cola e vendo meus compatriotas matando a pauladas na cabeça meus 'inimigos' norte-americanos ou judeus!
Isso soa como totalmente 'doentio' pra mim ! Um quadro totalmente surreal de uma realidade que nunca aconteceu. Vingança ? De que?

Saudações !

=]

Prussiano disse...

O que foi Dudinha ??

Anônimo disse...

Para mim estes caras sintetizam a hipocrisia de nossa sociedade; onde é "normal" e divertido massacrar, torturar e humilhar. No filme foram alemães mas poderia bem ser palestinos, libaneses, muçulmanos,etc. Qualquer um,desde que não sejam eles.

Bj

Sabrina

A Senhora disse...

Mais um para eu NÃO assistir...

Prussiano disse...

Olá, SENHORA... sem querer ser impertinente, creio que devas assistir o filme. Tire suas conclusões a partir dele.
É um grande prazer ter um comentário seu por aqui !

Grüße !!

=]

CarolBorne disse...

Apesar de não curtir muito o tarantino, estou muito a fim de assistir (aliás, preciso de cinema nas veias e livros no sangue).
Acho, no entanto, assim como eu ADORO filmes de 'mulherzinha' (embora odeie rótulos pejorativos), que tem gosto pra tudo, assim como quem paga pra assistir o novo da série Jogos Mortais (não lembro o número, mas nem importa porque acho estúpido demais uma coisa dessas ter bilheteria). O mundo fica mais assustador ainda com quem tem orgasmos com violência.

Concordo com a Sabrina de que esses caras sintetizam a hipocrisia da nossa sociedade.

Carolina disse...

Adoro Tarantino!
Somente filmes impactantes.

Gostei daqui, muito bom!
Obrigada pela visita. Aparece quando tiver vontade, traz o papo que te ofereço um cappuccino.

Bjos meus

João Eduardo Q. C. disse...

Eu vi Kill Bill sei lá se 1, 2, 3 ou 4 e achei a coisa mais estranha. Mas, tem gosto pra tudo e mau gosto também.
Eu, sair da minha casa pra ir assistir esse filme ou 2012, vai ser difícil.

Abs

Prussiano disse...

Olá, Carolina... volte sempre!! Obrigado pelo elogio ao meu humilde espaço virtual!!! rsrsr....

=]

Prussiano disse...

Báh, João.... com relação ao 2012... eu também !!! =/

Anônimo disse...

É, entendo o que você quis dizer, Pruss!
Sabe, achei que o filme ficou bem aquém da capacidade do Tarantino. Ao contrário dos outros comentários acima, não achei que ele se superou. Muito pelo contrário. Esperava mais do filme,justamente por causa do Tarantino, que me fez gostar dele por "Um Drink no Inferno". Achei o máximo na época, lembro!

Bem, depois dessa bizarrice que foi o "Basterds", vamos esperar que da próxima ele melhore.

Um beijo grandão pra ti, lindo !

Luiza.

Teórico disse...

Prussiano, a vingança nesse caso está na covardia contra os judeus. Não houve essa vingança, é verdade. O filme é uma ficção que acredito, todo judeu tem vontade de dar umas boas pauladas nos nazistas. Não falo dos alemães, entenda isso, falo da parte covarde e assassina que não merece o meu menor respeito, é por isso e só por isso que aplaudi o filme.


Abração

Prussiano disse...

Ora, Leonardo... atal covardia contra os judeus já foi BEM mais do que saldada... Pra cima de 'moi' não cola !!

O filme realmente é uma ficção, relmente , mas induz, AINDA, ao ódio contra algo que pouquíssimas pessoas hoje em dia, passados 70 anos do fato, pode opinar de forma IMPARCIAL.
Esse é o ponto !

Entendi que não falas dos alemães... e também não me senti ofendido pelo filme, por ser eu de acendência germânica.

Mas se falas da parte assassina que não merece o menor respeito... também falo da mesma coisa.... porém sob PONTO DE VISTA diferente do 'usual'.

Grande abraço meu amigo !!

Sempre aprecio seus comentários, apesar de nem sempre concordarmos! heheheh...

Grüsse !!!

=]

Chris disse...

As pessoas em geral estão ocupadas, ou buscando ocupação para suas vidas mediocres em observar o sofrimento do outro ou fazer o outro sofrer...noticiários cheios de calamidades estão ai para provar isso, o sofrimento do outro "alivia" um pouco o vazio destas pessoas, a mesquinhes de suas existências,pois quando não se acha motivos para tal a vida perde um pouco a graça...assim se sentem melhores.
Quem gosta deste tipo de filme, onde pessoas são humilhadas e violentadas, e acham isso fantástico...bem, algo em suas próprias vidas não deve estar lá muito bem .

Prussiano disse...

É verdade, Chris...
Concordo com vc! Muito bem ter seus coments por aqui !

Volta, viu !!

Bjão !!

Érica disse...

Assim, o filme ter sido fincanciado pelo fundo alemão de fomento ao cinema, não me deixa tão admirada assim, sinceramente.

Primeiro, goste ou não de Tarantino, é impossível negar que ele é um rapaz bem sagaz, e inteligente. Podem até não entender seus filmes, mas o tom tragicômico que ele dá é bem peculiar, e ele conseguiu imprimir uma marca como poucos diretoress que tenho conhecimento, como Hitchcock e David Lynch. O financiamente foi um reconhecimento, seja na Alemanhã, ou qualuqer outro país, merecido.

Gostei da tua crítica, de verdade. Eu não fiz, necessariamente uma. Foi uma opinião bem parcial mesmo, de quem é fã.

Linkei seu blog, grande abraço!

Prussiano disse...

Olá, Érica...

Obrigado pela contestação. Saiba que adoro (inteligentes e boas) críticas e, a sua foi uma dessas!

Bem, na minha opinião, 6.8 MILHÕES de Euros me deixariam MUUUIITOOO admirado sim. ( e como!!!)

Não que eu não goste do 'Taranta', masss.... nessa ele pisou na jaca (pelo menos comigo!) hehehe.....

Gostei mto do teu blog tbm !!

Abração!